Você está preparada financeiramente para ser mãe?

Alguém está totalmente preparado para ter um filho? Para ser mãe? Para construir uma família? Quando dizem que não vem com manual de instruções é porque não vem mesmo. E penso que até as famílias que acreditam ter feito o melhor dos planejamentos, quando pegam aquele bebezinho no colo pensam: e agora?

Conversando com algumas mães para perguntar qual era a preparação delas ao pensar em ter um filho ou ao descobrir que estava grávida percebi que planejamento 100% garantido não existe (ou mais comum, nenhum planejamento).

O financeiro de uma família com filhos é sempre incerta, plano de saúde, escola, material e do nada surge um remédio diferente, um tênis que você pensou que duraria o ano todo e durou só 2 meses ou uma despesa maluca bem naquela hora que você pensou que estava tudo certo com as finanças.

Nessa hora é possível perceber quanto importante é fazer um orçamento familiar, planejar e ter uma reserva de emergência (ou tentar ao máximo). Então, aqui vão as dicas de planejamento familiar com filhos:

Avalie sua situação financeira: se você está pensando em ter filhos avalie a situação financeira da sua família. Entre 20% e 30% da renda mensal é destinada a um filho no primeiro ano de vida dele. Embora a gente sabe que às vezes a notícia vem no susto, se possível, tenha a ideia de filhos bem conversada com seu parceiro ou parceira para não gerar conflitos financeiros mais tarde. Fazer os ajustes necessários no orçamento, de modo a incluir uma série de investimentos para garantir o bem-estar da criança, é fundamental para manter o equilíbrio das finanças.

Elabore um orçamento financeiro: o planejamento financeiro deverá incluir um valor para comprar os produtos essenciais e mobiliar o quarto da criança. As despesas com o primeiro filho são muitas e variadas: vestuário, fraldas, produtos de higiene, alimentos especiais, berço, armário, carrinho de passeio, cadeirinha para carro, cadeirão, serviços de babá, creche, vacinas, remédios, itens de segurança na casa (tela para janelas, protetores de tomada, etc). Preocupe-se com aqueles que são indispensáveis e que caibam no seu orçamento.

Busque informações sobre o seu plano de saúde: caso tenha, verifique se seu plano de saúde cobre as despesas com a gestação e o valor de incluir a criança no plano depois do nascimento. Caso não tenha plano de saúde e quiser contratar um é preciso tomar esta decisão com antecedência, em virtude das carências desses serviços.

Prepare-se para os próximos anos: Conforme as crianças vão crescendo, novos tipos de despesas surgem, como, por exemplo: escola, uniforme, material escolar, transporte escolar, festas de aniversário, presentes para amiguinhos que estão de aniversário, entre outras. Estes gastos podem ser compensados com uma reserva financeira. Caso as despesas imprevistas não caibam no seu orçamento, defina os gastos essenciais e os gastos opcionais.

Conte com ajuda das pessoas próximas: não tenha vergonha de receber ajuda, doação de roupinhas ou utensílios que outras crianças já usaram são sempre bem vinda e geram uma grande economia. Converse com pessoas que já tem filhos para perceber o que é importante comprar e o que não é. 

Grupos de troca e brechós: pelas redes sociais encontramos uma infinidade de tipos de grupos de trocas (roupas, brinquedos, uniformes, livros …). Busque por esses grupos ou vá direto a um brechó. O que não serve mais para você pode servir para outra família e nessa troca você faz um dinheirinho ou uma economia.

Se você não conseguiu fazer todas uma preparação antes da maternidade chegar faça durante, depois … mas faça em algum momento. Quanto antes melhor. Inclua a criança no planejamento, dê o exemplo do controle financeiro.

Mesmo com o susto de um resultado positivo, a maternidade desperta em uma mulher uma força grandiosa que só sabe quem passa por isso. Mães que se viram sozinhas e tiveram que ir atrás de melhores condições financeiras para a nova vida que vinha, mães meninas que se tornaram mães mulheres para poder dar o melhor ao seu filho, mães que geraram os filhos no coração, mães que receberam a nova vida bem longe de sua família, mães que tiveram o marido ao lado para conseguir dividir essa luta. São tantos tipos de mães que não caberia neste texto.

Mas em todos esses tipos de mães e filhos se encaixa uma verdade, a gente se vira e se desdobra em mil para conseguir dar conta de tudo, principalmente relacionado a dinheiro. Aproveite o seu dia e FELIZ DIA DAS MÃES!

Joane Weinert é especialista em finanças com MBA em Finanças e Certificação ANBIMA CPA 10. Atua há quase 15 anos com atividades diversas do setor financeiro em empresas privadas e órgãos públicos.
Para mais informações @dnadasfinancas

Nina Machado

Jornalista, especialista em marketing digital e gestão de pessoas trocou o mundo corporativo em busca de uma vida mais conectada com seu propósito. Em 2019 criou o projeto Ficar Bem aos 40 para abordar assuntos do universo feminino 35+. Além disso, é co-editora do Corra Mais e repórter do Inova Mais, ambas editorias do portal RIC Mais.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Voltar ao topo